STF volta a suspender julgamento sobre o piso salarial da enfermagem

Na última sexta-feira (16.06), o STF voltou a suspender o julgamento sobre a aplicação do piso nacional salarial da enfermagem. A suspensão ocorreu em razão do pedido de vista do Ministro Dias Toffoli, que terá até 90 dias para analisar e devolver o processo.

Antes da interrupção do julgamento, os Ministros Luís Roberto Barroso e Gilmar Mendes realizaram voto conjunto favorável ao pagamento parcial da remuneração à categoria. Também foram estabelecidas algumas condicionantes para o pagamento, como um mecanismo de custeio no setor público, caso seja necessário complementar o valor inicialmente previsto para cumprir a medida.

Na complementação da decisão, os Ministros propuseram as seguintes medidas:

  • em caso de insuficiência da “assistência financeira complementar” aos Estados, Municípios e Distrito Federal, a União deve providenciar crédito suplementar;
  • o pagamento proporcional do piso salarial nos casos de carga horária inferior a 8 (oito) horas por dia ou 44 (quarenta e quatro) horas semanais;
  • para profissionais celetistas em geral, a implementação do piso deve ser precedida, obrigatoriamente, de negociação coletiva entre as partes. Não havendo acordo, será aplicado o valor do piso definido pela Lei nº 434/2022, desde que decorrido o prazo de 60 dias, contados da data de publicação da ata de julgamento da decisão do STF.

 

Com relação a este último ponto, os Ministros citaram a “preocupação com demissões em massa ou prejuízos para os serviços de saúde” em caso de aplicação imediata do piso salarial da enfermagem no setor privado. Como fundamentado pelo relator, a ideia é admitir negociações coletivas que versem sobre o piso previsto na Lei nº 14.434/2022, “a fim de possibilitar a adequação do piso salarial à realidade dos diferentes hospitais e entidades de saúde pelo país”.

Os Ministros destacaram que há uma “inconstitucionalização progressiva” na fixação de pisos salariais nacionais. A posição abre margem para que eventuais novos pisos sejam derrubados ou tenham seus efeitos modificados pelos magistrados, pois, em casos envolvendo professores e agentes de saúde, tendo em vista, inclusive, o aporte de recursos pela União, o STF “atuou de maneira deferente ao poder de conformação legislativa do Congresso Nacional”. Os Ministros entendem, contudo, que a generalização de pisos salariais nacionais coloca em risco grave a livre-iniciativa e o princípio federativo, “que assegura a autonomia política, administrativa e financeira dos entes subnacionais”.

O único voto divergente, até o momento, é do ministro Edson Fachin, favorável à adoção imediata, sem qualquer tipo de restrição, das regras previstas na lei do piso.

São Paulo | SP

Rua Pequetita, n° 215, conj. 12, l° andar – Vila Olimpia,
CEP:04552-060

Informações:

(11) 2344-1919

Salvador | BA

Av. Tancredo Neves, 620 
Caminho das Árvores
CEP: 41820-020

Informações:

(71) 31764173

STF volta a suspender julgamento sobre o piso salarial da enfermagem

R. Frederico Simões,
Caminho das Árvores
CEP: 41820-774
Edifício Liz Empresarial

Informações:

(71) 3044.0150

Rio de Janeiro | RJ

Av. Rio Branco, n° 277, sala 1510 – Centro, CEP: 20040-009

Informações:

(21) 3553-4040

Recife | PE

R. Padre Carapuceiro, nº 752, Centro Empresarial Torre Vicente do Rego Monteiro, Sala 1201, Boa Viagem, CEP: 51020-280

Informações:

(81) 3032 4880

Belo Horizonte | MG

R. Santa Rita Durão, 1143. Edf. Clara Catta Preta, 5° andar –
Funcionários, CEP: 30140-110

Informações:

(31) 3267 6397

Aracaju | SE

Rua Engenheiro Hernan Centurion, 644, Jardins, CEP: 49025-170

Informações:

(79) 3217-7230

Manaus | AM

Av. André Araújo, 97  – sala 1407

Informações: